Publicação de "Os Lusíadas"

A grande épica de Camões é publicada em 12 de março de 1572. Confira entrevista com a Professora Marcia Arruda Franco, que nos explica a importância da obra, não só na literatura, mas para a nação lusitana.
Por
Lara Tannus
Data de Publicação
Editoria
Hoje na História

 

12 de março de 1572: Publicação de Os Lusíadas
Arte: Davi Morais

 

Diferente das personagens mitológicas como Ulisses ou Eneias, Marcia Arruda Franco, professora do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da FFLCH da USP, explica que a figura do herói na grande epopeia portuguesa é histórica. Este fato contribui para entendermos a importância da grande obra camoniana para a nação de Portugal.
 
Os Lusíadas, publicado em 12 de março de 1572, narra as grandes navegações de Vasco da Gama. São símbolo cultural e político para os lusitanos e “conferiram dignidade e crédito à língua portuguesa como língua de cultura”, comenta a professora.

Para navegar nessa rica obra portuguesa veja a seguir a entrevista com a professora:

Serviço de Comunicação Social: Qual é a importância da obra para a literatura portuguesa?

Marcia Arruda Franco: A importância de Os Lusíadas para a literatura portuguesa se mede pela sua presença no cânone literário português desde o século XVI a nossos dias. Pode-se afirmar que Os Lusíadas, apesar de alguma crítica negativa, foram canonizados no âmbito português, ibérico e europeu durante esses cinco séculos.

Entre o século XVI e meados do século XVII, a canonização se justificou pelo louvor do trabalho de dignificação e de ilustração da língua portuguesa levado a cabo na épica de Camões.

A língua portuguesa passa de uma língua regional ibérica, como o catalão ou galego, a um idioma ilustrado pela escrita de um poema sublime como a épica, em linha com as epopeias antigas. Com efeito, é ao longo do século XVII que a canonização se solidifica, quer por meio de biografias quer por meio de edições e comentários autorais, isto é, não anônimos, da épica.
 
Com os comentários de Faria e Sousa, o camonismo reinventa o processo de canonização da obra de Camões, doravante construído, conforme Hélio Alves, pela “derrogação da diferença”, isto é, por meio do apagamento e da negação do valor da obra épica e lírica dos seus pares quinhentistas.

Não obstante, a conhecida polêmica camoniana, durante os séculos XVII e XVIII, considerou criticamente a escrita camoniana, apontando defeitos na sua composição e questionando a sua comparação com Homero, como no caso de Verney: “Teve finalmente muitas qualidades de Poeta, [...] mas querê-lo comparar com Homero, como fazem muitos, ou querê-lo colocar sobre os das outras nações todas [...] não deixa de ser temeridade, [...] Camões, que a maior parte de nossos bons Poetas não sabe que houve no mundo”. A polêmica acesa em torno dos deslizes retóricos e das mancadas poéticas de Camões, e apesar das críticas ferinas de José Agostinho de Macedo, foi favorável à sua canonização, ou seja: venceram os seus panegiristas.

A avaliação negativa arcádica e iluminista de Os Lusíadas foi combatida pelos letrados oitocentistas, na medida em que o Romantismo conferiu nova funcionalidade à prática das letras (a de colaborar na construção de uma identidade nacional) e ao poeta (eleito herói da pátria).
Como afirma o saudoso Carlos Cunha em sua tese de doutorado (2002), a criação da épica camoniana como símbolo nacional foi um legado da “filologia alemã, dos românticos alemães e dos primeiros historiadores da literatura portuguesa”. A “romantização” da épica camoniana “era um modo de resgatar Camões à crítica arcádica e iluminista da sua obra, uma superação do classicismo” (Cunha, 2002, p.87). Como esclarece C. Cunha (2002, pp.83-90), a figura do Poeta português, lida pelo Romantismo como síntese da alma medieval e da renascentista, foi avaliada pelos críticos e historiadores do século XIX como precursora da sensibilidade romântica.

As ideias positivistas e naturalistas serviram à leitura étnica e republicana de Teófilo Braga, divulgada no bojo das comemorações camonianas de 1880. Apesar da polêmica acesa com Antero e Oliveira Martins acerca da historicidade dos ideais políticos defendidos em Os Lusíadas, Teófilo Braga construiu Camões como o poeta da raça e das ideias republicanas, pois, “no seu temperamento e caracter individual encarnou a feição typica da raça lusitana, fortificou o ideal da Pátria pela Tradição e deu o máximo relêvo artístico, fazendo vibrar o ethos da nacionalidade” ( Teófilo Braga apud Cunha, 2002, p.395).
 
Camões torna-se a sinédoque da literatura portuguesa, como símbolo do Volkgeist, ou melhor, torna-se a Bíblia da cultura portuguesa. Para Schlegel, “ce poème embrasse toute la poesie de sa nation”. Sismonde de Sismondi assinalava que Os Lusíadas contavam a história de Portugal. A história da literatura portuguesa, desde o período romântico, quando foi inaugurada a prática da história literária, institucionaliza o poema épico como símbolo político e cultural, de modo que em todos os períodos posteriores a crítica e a historiografia literárias buscaram uma convergência entre os ideais políticos da obra e os das consciências receptoras. Os Lusíadas serviram ao salazarismo e também, segundo Jorge de Sena, o poema, “subversivo e revolucionário”, “poderia juntar-se ao espírito da revolução de Abril de 1974”.  Em suma, a presença da épica camoniana no cânone e na história literária de Portugal, fruto de um trabalho político de recepção crítica continuada, garante a ela um lugar central na cultura portuguesa.
 
Serviço de Comunicação Social: Em comparação às epopeias como Odisseia e Eneida, no que Os Lusíadas se diferenciam, levando em consideração o contexto histórico do poema?

Marcia Arruda Franco: A diferença entre estas épicas diz respeito menos à estrutura de composição do que ao fato de a épica camoniana se basear em fatos históricos, a navegação de Vasco da Gama, uma figura histórica, e não mitológica, como Odisseu ou Eneias.

Os Lusíadas, figurando no cânone das grandes épicas da cultura ocidental, em linha com a Odisseia e a Eneida, depressa conferiram dignidade e crédito à língua portuguesa como língua de cultura.

Durante o processo multissecular de canonização da épica portuguesa, a comparação com os épicos antigos foi mais afirmada do que negada, como no passo de o Hospital das letras, de Francisco Manuel de Melo, autor seiscentista: “Tão pouco lhe parece ser o maior poeta de Espanha entre os heroicos, o mais venerado, o mais aplaudido, aquele que despojou da sua primazia a língua castelhana, que se pôs barba a barba com o nosso insigne Tasso, ombro por ombro com o Mantuano Virgilio, rés por rés com o grego Homero?”.

Quanto à presença de Camões no cânone dos épicos ocidentais, Voltaire, por exemplo, admite que Camões seja considerado o Virgílio lusitano, aproximando a sua biografia da de Homero: “Ainsi il éprouva en tout le sort d'Homère. Il voyagea comme lui; il vécut et mourut pauvre, et n'eut de réputation qu'après sa mort”. Considera o episódio de Inês de Castro “le plus beau morceau du Camoëns”, acrescentando: “il y a peu d'endroits dans Virgile plus attendrissants et mieux écrits”. Sobre o Adamastor, comenta: “Cela est grand en tout pays sans doute”. Segundo o ponto de vista etnocêntrico e racionalista de Voltaire, a inverossimilhança seria o maior pecado de Os Lusíadas: “Le Camoëns tombe presque toujours dans de telles disparates. Je me souviens que Vasco, après avoir raconté ses aventures au roi de Mélinde, lui dit: «O roi, jugez si Ulysse et Énée ont voyagé aussi loin que moi, et couru autant de périls:» comme si un barbare Africain des côtes de Zanguebar savait son Homère et son Virgile”.

Seja como for, foi no Romantismo que a aproximação entre Os Lusíadas e os épicos antigos se consolidou, uma vez que a literatura passa a representar o espírito de sua época, sendo dela um testemunho histórico e verossímil, segundo as diversas nacionalidades ou sentimentos nacionais.
 
Impôs-se a noção de que sendo uma epopeia histórica, Os Lusíadas apenas ficcionam a estrutura da epopeia orgânica ou coletiva.

A estrutura episódica de Os Lusíadas, a conclusão dos cantos por uma reflexão moral e o modo como é inserta no curso do poema a série de histórias representativas do Volksgeist português legitimam a interpretação nacionalista romântica.
As críticas à faltosa arte poética camoniana, apontadas por Verney e Voltaire, serão reinterpretadas por Garrett e pelos românticos, críticos e historiadores europeus, como índices da genialidade e do nacionalismo de Camões. Desde o século XIX, tal ideia recebeu pequenos ajustes relativos aos diversos momentos da recepção de Os Lusíadas.
Hoje em dia, a tendência é, por um lado, ressaltar a aula de retórica e o trabalho de emulação dos épicos antigos que constituem esta épica portuguesa, investigando, paralelamente, a escrita de outros textos épicos portugueses do tempo de Camões, ou, por outro lado, focar apenas o seu conteúdo ético, criticando-se o seu caráter etnocêntrico e a sua visão preconceituosa e ideológica das diferenças culturais.