Novo número da Revista Interfaces Brasil/Canadá

Início do evento
Final do evento
E-mail contato
diversitas@usp.br
Telefone Contato
(11) 3091-2441
Docente responsável
--
Local
--
O evento será gratuito ou pago?
gratuito
É necessário fazer inscrição?
Sem inscrição prévia
Emissão de certificado
Não
Participação de docente(s) estrangeiro(s)?
Não
Descrição

A revista Interfaces Brasil/Canadá, editada em parceria com o Diversitas – Núcleo de Estudos das Diversidades, Intolerâncias e Conflitos – FFLCH USP, acaba de lançar novo número.

Françoise Le Gris e Lícia Soares de Souza, com textos ternos e profundos, debruçam-se sobre a obra e a trajetória de vida de Renée Legris, professora do Departamento de Estudos Literários da Universidade de Quebec, em Montreal, que se dedicou, dentre outras coisas, a estudar a literatura radiofônica e a teledramaturgia da região.

No mesmo diapasão, Luc Bonenfant, atual diretor do Departamento de Estudos Literários, presta uma homenagem à acadêmica canadense.

Em seguida, Anelise Reich Corseuil e Patricia Bronislawski Figueredo, em “Contar alguma coisa não cria sempre uma história?”: adaptação, metaficção e trauma no romance A vida de Pi e no filme As aventuras de Pi, discutem a adaptação para o cinema do famoso romance de Yann Martel.

Maria do Rosário Silva Leite, por sua vez, analisa a obra de Gurjinder Basran, escritora inserida na diáspora asiático-canadense, enfocando os impactos da exclusão e da discriminação que permeiam as narrativas de autoras contemporâneas no contexto daquele país.

Assim, esse novo espaço que se forma pela perspectiva das literaturas das minorias, mostra-se como o lócus apropriado para apresentar os conflitos e negociações entre a cultura ancestral e a de chegada. Na seção Estudos Canadenses Comparados, Isaías Albertin de Moraes e Mônica Heinzelmann Portella de Aguiar, em A integração do imigrante no Brasil em uma perspectiva comparada com Canadá: o caso dos haitianos, buscam investigar a atual política pública de integração do imigrante haitiano no Brasil em uma perspectiva comparada com o Canadá.

Já Diego Barbosa da Silva, em “Uma terra hospitaleira de muitos imigrantes vindos do mundo todo”: a emergência do discurso do multiculturalismo no Canadá, analisa o funcionamento do discurso do multiculturalismo no Canadá, desde os anos 1960, investigando o contexto de surgimento do significante e os deslocamentos e silenciamentos de sentido produzidos em relação às diferenças na tensão entre franco e anglofalantes.

 A revista está disponível em https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/interfaces/issue/view/725.