Menos veículos, mais verde: pesquisa avalia qualidade do ar em São Paulo

Mais que aumentar áreas verdes, diminuir quantidade de veículos nas ruas é o melhor caminho combater a poluição do ar em grandes metrópoles
Por
Paulo Andrade
Data de Publicação
Editoria
Divulgação Científica

 

 

A poluição do ar é um problema clássico em grandes metrópoles. Uma pesquisa do Programa de Geografia Física da FFLCH mostrou que aumentar áreas verdes pode ajudar, mas que uma melhoria da qualidade do ar passa principalmente por diminuir a emissão de poluentes, com menos veículos nas ruas.

O estudo avaliou como diferentes superfícies (urbanas ou vegetais) e a quantidade de veículos nas ruas interferem na poluição do ar. O autor, o geógrafo Julio Barboza Chiquetto, analisou as concentrações de ozônio e outros poluentes em diversos pontos da Região Metropolitana de São Paulo.

Chiquetto explica que na estratosfera (30 km de altitude) o ozônio tem papel benéfico, bloqueando raios ultravioletas do Sol, mas que se torna tóxico na superfície. “A exposição ao ozônio pode provocar uma série de problemas à saúde, incluindo envelhecimento precoce da pele, irritação das vias respiratórias e agravamento de doenças como asma e bronquite”.

De acordo com o pesquisador, "uma diminuição dos poluentes pode ser conseguido com uma melhoria significativa da rede do transporte público e foco em transportes não-motorizados ou que não emitem poluentes, como a ciclovia e o metrô" (imagem: Marcos Santos/USP)
De acordo com o pesquisador Júlio Chiquetto, a qualidade do ar pode ser melhorada com menos carros nas ruas. "Uma melhoria significativa da rede do transporte público e foco em transportes não-motorizados ou que não emitem poluentes, como a ciclovia e o metrô" (imagem: Marcos Santos/USP)

 

A pesquisa foi desenvolvida em duas etapas: na primeira, Chiquetto avaliou dados de qualidade do ar de estações de monitoramento da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB) e os comparou com o solo dos entornos. “Classificamos as estações em quatro grupos, de acordo com os perfis de emissão de poluentes e exposição à poluição representada por cada estação”.

Na segunda etapa, com ajuda da Seção Técnica de Informática da FFLCH, o pesquisador utilizou um software que simula o comportamento da atmosfera. “Concebemos diversos cenários de alteração na emissão de poluentes e na cobertura da superfície como, por exemplo, a retirada de 80% das emissões veiculares na área urbana total da Região Metropolitana de São Paulo”, ilustra.

“Disponibilizamos a ferramenta para uso por professores, futuros alunos e pesquisadores. E assim trouxemos uma contribuição permanente para o departamento”, ressalta.

Resultados

Os resultados mostraram que as estações com mais atividade urbana apresentam mais poluentes primários e menos concentrações de ozônio. Tal configuração se inverte em regiões residenciais e afastadas dos centros, onde há mais áreas verdes: menos poluentes primários e mais ozônio.

Então, Chiquetto confirmou sua hipótese: “a construção de um parque urbano tem potencial de reduzir as concentrações de poluentes primários e melhoria nas condições ambientais com maior umidade no ar, mas potencialmente pode acarretar em aumento local das concentrações de ozônio”, diz.

Um cenário com pedágio urbano, como existe em algumas grandes metrópoles, também foi simulado no software. Com a redução das emissões veiculares e do número de veículos, esse cenário apresentou o maior potencial de diminuição de ozônio da pesquisa.

"Estudos da Faculdade de Medicina da USP mostram que só o fato de morar em São Paulo é o equivalente a fumar dois cigarros por dia", alerta o pesquisador Júlio Chiquetto, autor da pesquisa (imagem: Cecília Bastos/USP)
"Estudos da Faculdade de Medicina da USP mostram que só o fato de morar em São Paulo é o equivalente a fumar dois cigarros por dia", alerta Júlio Chiquetto, autor da pesquisa (imagem: Cecília Bastos/USP)

 

Menos veículos, mais áreas verdes

Segundo Chiquetto, os resultados apontaram que não basta simplesmente plantar árvores. “Parques são ótimas inciativas para melhoria ambiental. Mas para a qualidade do ar, há que se diminuir a quantidade de carros nas ruas. Isso só pode ser conseguido com uma melhoria significativa da rede do transporte público e foco em transportes que não emitem poluentes, como a ciclovia e o metrô”, diz.

Nesse contexto, o pesquisador acredita que um melhor planejamento urbano pode contribuir para diminuir os veículos nas ruas. “Uma descentralização das atividades econômicas, saindo dos tradicionais centros empresariais em direção aos bairros mais populosos, tem potencial de diminuir a necessidade de deslocamento e o número de veículos”, analisa.

Chiquetto aponta que o estudo pode contribuir na formulação de políticas públicas ambientais e de saúde. “Com os nossos resultados, planejadores urbanos e autoridades podem saber o que esperar em termos de qualidade do ar por meio de determinada intervenção que afete o uso do solo e a circulação de veículos em grandes centros urbanos, e quais impactos à saúde podem estar associados a estas alterações”, finaliza.

O trabalho, orientado pela professora Maria Elisa Siqueira Silva e defendido em agosto de 2016, recebeu menção honrosa no Prêmio Capes de Tese 2017, no último dia 10 de outubro.

O trabalho completo pode ser consultado no site Teses USP.