Nascimento de José de Alencar

Autor de "O Guarani" e "Iracema", o escritor produziu um extenso repertório com características próprias e distintas da literatura portuguesa da época
Por
Lara Tannus e Paulo Andrade
Data de Publicação
Editoria
Hoje na História

 

"Deixou uma obra multifacetada, composta por gêneros diversos, como a crônica e o romance , o teatro e textos de intervenção política, em cartas, discursos, e outros gêneros", comenta o professor Eduardo Martins. (Arte: Davi Morais)
"Deixou uma obra multifacetada, composta por gêneros diversos, como a crônica e o romance, o teatro e textos de intervenção política, em cartas, discursos, e outros gêneros", comenta o professor Eduardo Martins. (Arte: Davi Morais)


Maior nome do Romantismo no Brasil, José de Alencar pode ser considerado o fundador do romance brasileiro, produzindo um extenso repertório com características próprias e distintas da literatura portuguesa de sua época.

Falamos com o professor Eduardo Martins, do Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada da FFLCH USP, que explicou como Alencar era alinhado ao projeto de construção da nação do governo imperial pós-1822, participando ativamente da vida pública da época.

Além de escritor, Alencar foi jornalista, deputado pelo partido conservador, ocupou cargos públicos e exerceu também a advocacia.

Martins conta que o escritor produziu incansavelmente nos anos anteriores à sua morte. "Deixou uma obra multifacetada, composta por gêneros diversos, como a crônica e o romance, o teatro e textos de intervenção política, em cartas, discursos, e outros gêneros".

Apesar de percorrer muitos gêneros, a obra de Alencar apresenta uma grande unidade e coerência tanto de estilo quanto alinhamento ao projeto romântico de construção da literatura brasileira. 

O professor o aponta como uma espécie de “pai fundador do romance brasileiro”, que conseguiu estabelecer características próprias e distintas da literatura romântica portuguesa.

Para atender ao projeto de construção de literatura nacional, Martins cita a análise do professor Alfredo Bosi sobre o livro O Guarani: "Alencar reconfigurou a história da ocupação, de maneira a conciliar a figura do bom selvagem com a apologia do colonizador português".

Isso é explícito em O Guarani e Iracema, quando Alencar constrói o índio em íntima comunhão com o colonizador. "Ao invés de se revoltar, abdica voluntariamente da sua cultura, religião e liberdade, para entregar-se ao conquistador português", explica Martins.

Além das obras já citadas, o professor menciona Alencar no teatro, como O Demônio Familiar, As Asas de um AnjoMãe e O Jesuíta

Confira o Guia Biliográfico sobre José de Alencar disponível em nosso site.