Colação de grau unificada dos formandos de 2018 da FFLCH é celebrada

Professores e funcionários, familiares e amigos dos formandos lotaram os 800 lugares do Auditório do Centro de Difusão Internacional da USP para acompanhar a cerimônia
Por
Eliete Viana
Data de Publicação
Editoria
Institucional
Notícias

 

 

formandos de 2018 da FFLCH
Foram 72 os formandos da Faculdade que colaram grau na cerimônia, que teve a iniciativa da Comissão de Formatura FFLCH 2018, composta por seis estudantes, que também foi responsável pela organização do evento, com apoio da Direção da Faculdade - Foto: Cicero Wanderberg / STI-FFLCH


Na noite da quarta-feira, dia 13 de fevereiro, 72 alunos da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP tiveram momentos de muita emoção. As causas não foram uma prova ou a apresentação de um seminário, mas sim pelo fechamento de um ciclo em suas vidas: o término da graduação. O momento foi compartilhado com os professores e funcionários, seus familiares e amigos que lotaram os 800 lugares do Auditório do Centro de Difusão Internacional (CDI) da USP, na Cidade Universitária, na cerimônia de colação de grau unificada dos formandos de 2018 da Unidade.

Após a composição da mesa solene e a entrada dos formandos, a diretora da Faculdade, Maria Arminda do Nascimento Arruda, abriu oficialmente a cerimônia. “Esta é uma ocasião a ser celebrada e sobre a qual também devemos refletir. É preciso compreender a força deste evento. Impõe-se o reconhecimento por termos chegado ao fim de um processo, quando a nossa instituição cumpre um dever e presta contas à família e à sociedade. Neste momento uma fase se encerra e outra se inicia. Pois, aqui começa a trajetória profissional dos estudantes”, ressaltou a diretora.

Maria Arminda ressaltou que os formandos das áreas de Ciências Humanas precisam manter a consciência crítica da sociedade, “ainda mais em um momento regressivo que nosso país vive. Creio que esta tarefa exige de cada um, o exercício da ética de um compromisso. Não tenham dúvida que estão preparados e que terão êxitos. Sejam felizes e se realizem”, disse dando início à celebração.

Discursos

O professor do Departamento de Ciência Política Fernando Haddad foi o patrono da turma. A sua escolha “se deve tanto pela sua importância acadêmica e papel dentro da FFLCH, quanto pelas ideias defendidas por ele”, segundo a Comissão de Formatura FFLCH 2018.
 

Haddad_Maria Arminda_Martins
A diretora da FFLCH, Maria Arminda do Nascimento Arruda, entre o patrono da turma, Fernando Haddad (à esquerda) e o paraninfo da turma, Paulo Martins - Foto: Cicero Wanderberg / STI-FFLCH


“Essa casa também é minha, a FFLCH”, ressaltou Haddad, que foi ministro da Educação de 2005 a 2012 e prefeito de São Paulo de 2013 a 2016. O docente lembrou que a USP, por meio desta Faculdade, ajudou a interpretar a realidade brasileira. Ele encorajou os presentes dizendo para olharem o momento do Brasil atual como algo desafiador e que “as melhores cabeças desta Faculdade foram construídas em momentos de turbulência”.

O docente alertou para a necessidade de combinar o conhecimento acumulado e o conhecimento que vão adquirir ao longo do tempo. “É muito importante saber usar o conhecimento para o bem da sociedade, com sabedoria. Porque sabedoria é parte do conhecimento”, destacou. “O que se perde por medo, não importa o que, é muito grande. O que se perde na luta, é nada!. Muito sucesso, um abraço, ‘tamo’ junto, e até a vitória!”, disse Haddad encorajando de esperança os presentes.

Emocionado, o paraninfo da turma Paulo Martins, que é professor do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade, falou da importância do momento. “Vocês confirmam minha contínua tentativa de comunicação, me fazem ter certeza de que optei pela carreira certa quando aqui cheguei há muito tempo atrás”, destacou o docente, que também é o atual vice-diretor da FFLCH.

Martins lembrou que completou 20 anos de docência na USP e 35 de vivência na FFLCH, desde o início de sua graduação, ligação que ele muito se orgulha. “Aqui conheci minha companheira, um dos meus filhos já passou por aqui e espero que os outros também passem. E, hoje, seguramente, é o dia mais emocionante de minha vida profissional e, consequentemente, aquele do qual irei mais me orgulhar. O convite de vocês significa muito por vários motivos, mas especificamente um me é importante: minha aposta na humanidade, ainda que nossa realidade atual, um momento obscuro, tente nos convencer do oposto”.

Assim como a diretora e Haddad, o paraninfo também falou dos momentos atuais, dizendo que não são muito fáceis para os profissionais das Humanidades, mas dos quais depende a sua transformação, e deu um conselho aos futuros profissionais. “Tenham certeza de que, principalmente quando os tempos são difíceis, a luta é dura e os adversários multiformes, a alegria deve ser a luz que orienta suas decisões”, terminou com a voz embargada, mas por motivos de alegria.

Homenagens

“Aqui as coisas são diferentes. Os mestres da Faculdade nos mostraram diferentes conhecimentos. Sempre vi a busca pelo diálogo e uma relação construtiva. Por tudo isso, gostaríamos de agradecer pelo incrível trabalho. E também parabenizá-los pela carreira docente que fizeram, o que no Brasil não é fácil”, enfatizou a formanda Aline Gevezier, na homenagem aos mestres.
 

plateia da colação de grau unificada da FFLCH
Plateia da cerimônia de colação de grau unificada dos formandos de 2018 da FFLCH - Foto: Cicero Wanderberg / STI-FFLCH


Após a fala de Aline, os docentes que compunham a mesa solene da cerimônia foram homenageados com a entrega de uma placa de ferro, como forma de agradecimento pela contribuição deles durante a trajetória dos formandos.

Além da diretora, do patrono e do paraninfo, foram homenageados os seguintes professores: Ângela Zucchi, Antônio Menezes, Bianca Freire Medeiros; Cristina Moerbeck Casadei Pietraroia; Daniel Puglia; Fátima Cabral; Fernanda Padovesi; Helmut Galle; Lica Hashimoto; Miriam Dolhnikoff; Paulo Chagas; Paulo Segundo.

“Hoje, celebramos a conquista de um sonho. [Mas] Hoje a conquista não é só nossa, mas vivida com vocês, que estiveram conosco neste caminhar. Obrigado por compartilhar este momento conosco!”, disse o formando Michel Carvalho Macedo a todos os familiares presentes.

Oradores

Os formandos escolheram um orador para cada um dos quatro cursos de graduação da FFLCH, cujos alunos aderiram à colação de grau unificada 2018, e mais uma quinta oradora representando toda a FFLCH e a Comissão de Formatura.

A formanda de Ciências Sociais Natália Corazza destacou que o seu curso traz mais perguntas que respostas, mas isso não é um problema. “É um desafio a nós que estamos começando. Saímos com um diploma, cientistas sociais e profissionais capazes de pensar a nossa realidade”.

Maria Jucielma de Lima do curso de Geografia enfatizou a humanidade que deve sempre acompanhar o profissional da área. “Nestes anos [de graduação na Faculdade] adquirimos experiências, algumas boas e outras nem tanto. Entender a importância das pessoas é o que nos traz a uma faculdade de humanas e faz ser de uma faculdade de humanas. [Por isso], que sejamos professores, técnicos ou mudemos de profissão, mas que sejamos cada vez mais humanos”.

A aluna do curso de História Daniela Ferrari de Oliveira lembrou da diferença das aulas da graduação e dos Ensinos Fundamental e Médio e falou da desvalorização da profissão, apesar da sua importância para a compreensão do mundo. “Não é possível entender o presente, sem olhar para o passado. Tampouco pensar o futuro sem o presente”. E, dirigindo-se aos colegas que estavam na cerimônia, disse: “Estar se formando hoje é só o começo. Lembre-se que nada é para sempre, mesmo os momentos de tormenta. Lembre-se que somos coletivos, mas também indivíduos”.

No início de sua fala, a formanda de Letras Giovanna Gabriela Tezzei cantou um trecho da música O bêbado e o equilibrista, composta por João Bosco e conhecida na voz de Elis Regina. “Eu quis trazer esta canção por saber o peso que ela carrega e toda a significação que ela traz”. Ela comentou sobre a liberdade que os alunos têm na Faculdade e a formação que teve. “Não foi eu que me formei, mas a FFLCH que me formou, pois mudou minha percepção de vida”. E, no final, pediu para todos os presentes levantarem e dizerem em conjunto o nome de alunos falecidos no último ano.

Representando todos os alunos da FFLCH, a formanda de Letras Carolina Xavier destacou que a cerimônia era o momento de celebrar o fechamento de um ciclo, mas também de comemorar o início de muitos outros; além de ressaltar a relevância e a ligação dos cursos da Faculdade.

“Esses cursos, dos quais fazemos parte, são vitais para a formação humana. Eles possibilitam o desenvolvimento do nosso pensamento crítico, que é essencial, e nos torna verdadeiramente humanos (...), melhores como pessoas existentes e como almas viventes. Todos esses cursos estão entrelaçados e relacionados”, frisou Carolina.

“A mensagem final é de que alegria e coragem. Não percam a fé em vocês mesmos e na humanidade. Alimentem a igualdade e a empatia. E nunca percam o bom humor, porque esta é uma das chaves para um mundo melhor. Vivam a cultura, construam saberes, cultivem a poesia. Pois é a essência dos nossos cursos, a formação humana”, finalizou.

Juramento

A leitura do juramento que os formandos devem ler em voz alta para a realização da colação de grau foi feita por Amanda Angelozzi.

“Ao receber o grau que me confere a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, prometo dedicar-me, com toda a probidade, no campo da pesquisa, à procura e à transmissão da verdade e trabalhar, na medida de minhas forças, pelo progresso da cultura no Brasil”.

Depois do juramento proferido pelos 72 formandos da Faculdade que colaram grau na cerimônia, foi realizada a entrega dos canudos.

“Pouco há a falar. Porque esta cerimônia é muito emocionante. Eu mesma estou emocionada. Mas, não queria deixar de agradecer a todos os presentes: aos professores, aos funcionários; às mães e aos pais pela confiança. E aos agora formados da Faculdade, que organizaram esta cerimônia tão tocante. Eu desejo toda a alegria e a felicidade que a vida lhes oferece. Busquem construir a carreira de vocês da maneira mais feliz e ética. Obrigada a vocês pela escolha e confiança”, encerrou Maria Arminda.

A iniciativa de realizar uma colação de grau foi da Comissão de Formatura FFLCH 2018, composta por seis estudantes, que também foi responsável pela organização do evento, com apoio da Direção da Faculdade. Atualmente, a colação é feita de forma individual na Seção de Alunos do curso, na qual acontece a leitura do juramento e assinatura da ata, para posterior emissão do diploma. A partir do segundo semestre de 2019, a Faculdade voltará a organizar institucionalmente a colação, inicialmente como um “piloto”. Porém, o evento não será imposto aos alunos. Eles ainda terão a opção de colar grau sem solenidade, como é feita até o momento.