Universidade angolana e FFLCH conversam sobre estabelecimento de um futuro convênio

Dirigentes da Universidade Luenji A'Nkonde foram recebidos pela diretora da FFLCH e pelo presidente da CCInt para debater as possibilidades de firmar um acordo. No mesmo dia, eles também apresentaram sua instituição aos alunos e docentes da Faculdade
Por
Eliete Viana
Data de Publicação
Editoria
Institucional
Notícias

 

 

ULAN
(Da esq. p/ dir.) O presidente da CCInt, Vladimir Safatle; o vice-reitor da ULAN, Alfredo Armando Manuel; a diretora da FFLCH, Maria Arminda do Nascimento Arruda; e o reitor da universidade angolana, Carlos Pedro Cláver Yoba – Foto: Johin Feng Suen / STI-FFLCH 


O reitor e o vice-reitor para os assuntos científicos e pós-graduação da Universidade Luenji A'Nkonde, respectivamente, Carlos Pedro Cláver Yoba e Alfredo Armando Manuel, estiveram na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, na tarde desta quinta-feira, dia 21 de março, para uma conversa com a Direção e uma apresentação à comunidade FFLCH sobre sua instituição. 

Atualmente, a ULAN tem um convênio com a USP, através da Faculdade de Educação (FE). A ideia de realizar um evento na FFLCH surgiu porque a instituição angolana manifestou bastante interesse em estabelecer novos convênios com outras Unidades. Pois, pretende potencializar a formação dos seus docentes, tanto na graduação quanto na pós-graduação.

Relações FFLCH-África

No prédio da Administração da Faculdade, primeiro foram recepcionados pelo presidente da Comissão de Cooperação Internacional (CCInt), Vladimir Safatle, e pela chefe de Serviço, Vivian Pamella Viviani de Castro. Nesta conversa, foi combinado que antes de estabelecer os termos para um futuro convênio entre a Faculdade e a ULAN, serão realizadas duas missões: primeiramente com a vinda de professores angolanos para participar de palestras na FFLCH e, em sequência, a ida de docentes da Unidade para conhecer e também participar de atividades em Angola. 

Depois, foram conversar com a diretora da Unidade Maria Arminda do Nascimento Arruda – que estava presidindo uma sessão da Congregação e se ausentou para poder recepcioná-los. 

“É um prazer virmos aqui e fazermos integração”, declarou o reitor da ULAN à diretora, após fazer uma breve apresentação sobre a universidade que dirige.

A diretora Maria Arminda também demonstrou o interesse da Unidade em estabelecer cooperação. “Fazemos muito gosto em estreitar estas relações. A Faculdade deve procurar parcerias na África e na América Latina, e não só na Europa. Por isso, temos todo interesse nestas trocas e queremos cada vez mais ter atenção nessas regiões”. Esta posição da FFLCH também foi ressaltada pelo presidente da CCInt. “É uma relação estratégica fundamental”, frisou Safatle.

Maria Arminda presenteou o reitor da ULAN com algumas edições da Revista África, do Centro de Estudos Africanos (CEA) da Faculdade, criado em 1965. E aproveitou para falar que na Unidade há vários estudos e pesquisas sobre África, voltados à língua, cultura, educação. 

Alguns destes estudos é feito pelo Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Educação em Angola (GEPEULAN). No momento, a FFLCH mantém convênios com quatro instituições de ensino superior de dois países africanos: África do Sul e Cabo Verde. 

Apresentação na Geografia 

Após a reunião com a Direção, os representantes da ULAN foram até à sala de vídeo do Departamento de Geografia, localizado no Edifício Eurípedes Simões, para apresentar a universidade angolana e falar um pouco sobre o convênio existente com a USP. 

Nesta visita ao Brasil, a ULAN fez um aditamento de contrato para incluir o Programa de mestrado, no qual alguns docentes da FE irão para Angola ministrar aulas e orientar os futuros mestres. 

Na apresentação, o coordenador do convênio e professor da FE Roberto da Silva ressaltou a possibilidade dos docentes e estudantes da FFLCH (e de outras Unidades da USP) de utilizarem o convênio existente. Em maio deste ano, alguns participantes do projeto da FE vão para ULAN. Um deles é o aluno do curso de Geografia Celso Oliveira Junior. 

Entretanto, alguns dos docentes manifestaram que seria importante firmar um acordo específico da FFLCH, por conta das particularidades intrínsecas aos cursos e pesquisas da Faculdade, e para ter uma autonomia maior para dialogar com eles. 

Na ocasião, também foi comentado sobre a importância da USP firmar acordos de cooperação acadêmica internacional com universidades africanas fora das capitais dos países, como é o caso da ULAN, cujos campi não estão em Luanda, capital de Angola. 

Estavam presentes cerca de 50 pessoas, entre alunos e docentes da FFLCH, os quais manifestaram interesse em um futuro acordo com a ULAN. 

Além da capital Luanda 

A ULAN é uma universidade pública angolana, localizada na região nordeste do país, e tem três campi universitários nas seguintes províncias (Estados): Lunda Norte, onde está a sua sede, Lunda Sul e Malanje. A instituição tem 10 anos, cerca de 9.500 estudantes, distribuídos em seis faculdades e escolas.  

O nome da universidade é uma homenagem à Rainha Lueji N’Ankonde, do reino de Lunda Tchokwe, que descende do grande Império de Lunda (1050-1887). A rainha Lueji também foi muito conhecida por sua governança e coragem nos processos de resistência frente aos colonizadores.

Além da FFLCH, os representantes da universidade angolana visitaram a Reitoria da USP, onde foram recebidos pelo reitor Vahan Agopyan e equipe, no dia 20 de março.